10.  ANEXOS EXTERIORES da Catedral: A sala da Confraria e a casa do Cabido.
 
11. CERÂMICA - Não sendo muito rica em cerâmica, merece no entanto ser referenciada porque possui algumas peças de valor: os azulejos da sala da confraria, séc. XVIII, os dois "Panneaux" da capela do Amparo.  Os primeiros são de corazuis, verdes, vermelhos e brancos a fazer aspiral tendo sido ali colocados a pedido do rei D. Manuel.

 

Sé do Funchal, 29/03/2006

Trabalho realizado - Cónego Manuel Martins

 

Sala da Confraria
Panneaux da capela do Amparo
Panneaux da capela do Amparo
Sala da Confraria
Exterior
Exterior
Catedral
Catedral
Catedral
Torre
Fonte
Exterior
Fresco
Sacristia

     Esta pintura mural pintada afresco que se encontra na Sé Catedral do Funchal representa Adão e Eva no paraíso, foi originalmente executada para decorar as paredes de uma ante-sala que dava acesso à Sacristia que infelizmente foi demolida na década de 80, ficando apenas como referência estas duas paredes com frescos.

    A pintura foi executada no século XVIII, como confirma a documentação existente que refere que a construção do cabido e obra mandada executar por D. João V e que em 1732 é aprovado o orçamento para as referidas obras.

    A técnica de pintura mural afresco é uma técnica antiga executada sobre uma base de gesso ou nata de cal ainda húmida, por isso o nome derivado da expressão italiana Afresco, na qual o artista deve aplicar pigmentos puros diluídos somente em água.

     Dessa forma, as cores penetram no revestimento e, ao secarem, passam a integrar a superfície em que foram aplicadas. A técnica exige do artista muita destreza e rapidez, pois a secagem é muito rápida, o que obriga o pintor a ser ainda mais rápido e competente no que faz.

    Uma das grandes desvantagens do afresco é a quase impossibilidade de corrigir erros depois da conclusão da pintura. O fresco que inicialmente se encontrava no interior, passou a estar no exterior e foi ao longo dos anos coberto por camadas de reboco muito fino a base de cal.

           Foi recentemente alvo de uma intervenção de conservação e restauro, esta intervenção permitiu voltar a ter uma boa leitura do que esta pintura já representou no passado. Ainda se encontra em investigação o autor deste fresco esperamos muito em breve poder devolver um pouco mais da sua história.

Patricia Dantas

© Catedral do Funchal - Pe. Ignácio F. Rodrigues